Você está aqui

Colpaert, Florimond (1845 - 1939)

Colpaert Florimond
Social Media: 

Florimond Colpaert nasceu no dia 10 de agosto de 1845 na cidade de Gent, na Bélgica. Lá casou-se com a holandesa Hubertine Luize Vanderloeff. O casal tinha 4 filhos, Alfred (24/9/1869), Emilia (18/12/1872), Bertha (20/10/1876) e Maurice. Estamos sem notícias sobre aonde ele formou-se como arquiteto. A família chegou provavelmente junto com seus filhos em outubro de 1890 com o vapor Desterro via Santos em São Paulo.

Ele atuou na cidade de São Paulo. O Estado de São Paulo (13/02/1895 p. 2) mencionou ele com "empreiteiro do ladrilhamento da Capella do Cemitério da Consolação". O nome dele aparece no "Almanak do Estado de São Paulo 1897". Na p. 100, ele é mencionado como desenhista-auxiliar da Câmera Municipal e na p. 113 no capítulo "Architectos, constructores e engenheiros" com endereço Alameda Barão de Limeira 41. No jornal Correio Paulistano aparecem nos anos 1900-1910 muitos anúncios da empresa de construções civis com diretor-gerente Jean L. Salvador e diretor-técnico Florimond Colpaert e escritório na Rua de São Bento, 26A

Fizemos uma pesquisa no Acervo Hístorico da cidade de São Paulo aonde parte das obras particulares de arquitetura - principalmente do período 1907 até 1923 - foram cadastradas num banco de dados. Achamos 24 obras neste banco. Algumas informam o endereço do arquiteto Colpaert: Rua das Palmeiras 207. É difícil saber se estes prédios ainda estão em pé. De um lado, os nomes de algumas ruas mudam, de outro lado muitos prédios receberam um outro número. A nossa pesquisa até agora não deu nenhum resultado positivo. Esperamos que os visitantes deste site podemos nos ajudar ao respeito.

  1. 21/01/1907 - Rua Alfredo Maia, Lotes 3 & 4 - Regoli Pelluchi e Lesi Lante (OP 15)
  2. 27/03/1907 - Rua Lopes de Oliveira 29A - Florimond Colpaert & Baldin Geovani (OP 24)
  3. 05/01/1909 - Av. Brigadeiro Luiz Antonio 174 & 176 (Caixa 57) - provavelmente demolido com a construção do Viaduto Brigadeiro
  4. 30/09/1909 - Ladeira Porto Geral 15B - Luiz Fava (Caixa 71)
  5. 19/11/1912 - Rua João Bohemer 11 & 13 (Brás) - Hermann Friederichs (OP 182)
  6. 25/11/1912 - Rua Caiuby 2 (Alto das Perdiz) - José Fernandes (OP 166)
  7. 29/11/1912 - Rua Caiuby 6 (Alto das Perdiz) - João Baptista Goes - Oficina Marcenaria (OP 166)
  8. 14/01/1913 e 07/02/1913 - (a planta informa Alameida dos Andrades 22 & 24) - Stefani Scatena (OP 210)
  9. 26/02/1913 - Rua Bella Cintra 160 & 162 - Dr. Marcilio D. Silveira da Motta (OP 215)
  10. 05/04/1913 - Rua Anna Nery 149 - Biola c'Amosso - Fábrica textil à vapor -(OP 228)
  11. 08/04/1913 - Rua João Cesário 14 - Matriz N.S. da Penha (reforma cosinha) (OP 240)
  12. 09/04/1913 - Rua Albion 20 & 22 - João Baptista Goes (OP 208)
  13. 09/04/1913 - Rua Nove 60 - João Baptista Goes (OP 249)
  14. 16/04/1913 - Rua Raphael de Barros 16 - Antonio Consalves Junior (OP 253)
  15. 17/04/1913 - Rua Barra Funda 62 (a planta informa Rua Lopes de Oliveira esquina Rua Barra Funda) - Alberto Gragnani - Cinema Marconi Theatre (OP 214)
  16. 06/06/1913 (a planta informa Travesa 2) Vila Poméia / Água Branca - José Carreio de Medeiros (OP 259)
  17. 23/06/1913 - Rua Vergueiro 487 - Bento José Gonzaga Franco (OP 264) - provavelmente demolido com a construção do Hospital do Servidor Público Municipal
  18. 23/08/1913 - Rua Cardoso de Almeida 92 - Florimond Colpaert (OP 220) 
  19. 11/09/1913 - Rua Martha 16 (&18) - Leonardo Sannaioto (OP 246)
  20. 28/09/1913 - Rua Vergueira [477 ou 411] - Fortunata Oliveira (OP 259)  - provavelmente demolido com a construção do Hospital do Servidor Público Municipal
  21. 28/01/1914 - Av. Lins de Vasconcelos 107 - Manoel Felicissimo Gomeiro (OP 315)
  22. 01/07/1914 - Rua João Ramalho n/c (a planta informa esquina Rua Dr. Franco da Rocha) - Custodio Pedro (OP 311)
  23. 18/08/1914 - Rua do Bosque 186 A - Luiz Guarido (OP 277)
  24. 12/09/1914 - (a planta informa Rua Tuareassu - frente Antártica) - José de Campos Botelho (OP 338)

Colpaert era também o arquiteto do Mercado de Peixes em 1888, no terreno contíguo à antiga Ilha dos Amores. (Fonte "Estatatégias de sobrevivência de escravas, forras, libertas e brancas pobres na São Paulo de fins do Império 1871-1889" / Emilene Ceará Barboza - dissertação USP 2012 - p. 34).

Em 1895, Florimond Colpaert, era envolvida nas obras da cadeia da Vila do Jambeiro. A camará municipal da Vila do Jambeiro, comunicou no Diário Oficial de 26 de março de 1895 (p. 13105) que o arquitecto Florimond Colpaert, contratante das obras da cadeia da referida vila, abandonou as mesmas obras, retirando-se da localidade.

Achamos também a noticia seguinte : “Manancial – O córrego, hoje encanado, que, por uma simples bica de taquaraçu, feita em 1870, no pasto da casa da Padroeira, abastecia a populaçãozinha, da ponte do Capivari para cima, permaneceu até 1875, quando se reuniram em camaradagem Francisco Luiz Barreto, Benedicto Antonio de Moraes, João Felipe de Sant’Anna, João Manoel, Benedicto Pereira Pinto (Formiga) e Manoel Celestino, e tiraram a pequena água pela frente da casa do Dito Celestino. Não tendo esse trabalho dado bom resultado, em vista de não terem ladrilhado o rego, voltou o regato para o antigo lugar. Em 23 de janeiro de 1883, Manoel Lopes (Português) e ainda Benedicto Antonio de Moraes, João Felipe de Sant’Anna e outros, reformaram o antigo rego d’água, ladrilhando de tijolos e cal. Essa mudança de água permaneceu até 1894, época em que a Câmara, em 10 de dezembro, contratou Florimond Colpaert para encanar o pequeno regato, e que o fez, não produzindo esse serviço bom resultado.

O falecimento de Florimond Colpaert foi anunciodo indireitamento no dia 23/06/1939 no jornal Estado de São Paulo, aonde a página 10 informa "A família do saudoso Florimond Colpaert agradece as manifestações de pesar recebidas e convida seus parentes e amigos a assistirem á missa do 30 dia, á realizar-se amanha, á 8 e ½ horas na igreja de São Francisco." O arquiteto Renato Siqueira que fiz a restauração do Casarão Alfredo Prates nós informou que Florimond faleceu em São Paulo na data de 24 de maio de 1939.

Pesquisa e texto: Marc Storms

Fontes