Você está aqui

Chaineux, Ernest (1886 - 1962)

Chaineux Ernest
Social Media: 

Ernest Chaineux

Em um obituário de Ernest Chaineux, seu colega Willy Minnigh (1886-1975) falou de seu amigo:

"A simplicidade e modéstia igualou talento. Estas virtudes aliados a seu gosto inato para uma vida tranquila com sua família e alguns amigos íntimos, longe das coisas do mundo para o qual ele não sentiu nenhuma atração, talvez formaram uma barreira para a fama a que tinha direito.

Ernest Henry Chaineux nasceu em Saint-Josse-ten-Node (Bélgica) no dia 22 de julho de 1886. Seu pai era diretor ferrovias. Em referência a seu pai, Ernest assinou seus projetos com Chaineux filho. Ele completou seus estudos de arquitetura na Academia Real de Bruxelas em 1908. Em 1909 começou a trabalhar com Franz Van Ophem, braço direito de Ernest Acker (1852-1912), o arquiteto-chefe da Exposição Mundial de Bruxelas em 1910. Vinte pavilhões são projetados pelo escritório de Van Ophem, e é Chaineux que vai desenhar a maioria da parte das fachadas da antiga Bruxelas na exposição.

Chaineux mudou-se para Schaerbeek na rua Frédéric Pelletier e recebeu uma medalha de prata no concurso de fachadas da cidade de Schaerbeek em 1910-1911 para a sua construção na Rua Artan 128. É provável que este prêmio lhe permitirá casar em 1911 com sua amiga de infância Emma Latinis com quem ficou noivo durante seus estudos. Em 1912-1913, ele ganhou um outro prêmio para sua casa, rua Joseph Coosemans 99. É neste período que data a sua realização na Avenida de Diamond 135.

Depois veio a guerra, que terminou com a ascensão de sua carreira. Em 1920 Chaineux emigrou para o Brasil, onde ele está engajado em Santos, o porto de São Paulo, para uma grande empresa de construção civil. Lá, ele desenhou a fachada da Bolsa de Café e planos do hospital da cidade. °

De volta a Bruxelas, ele se mudou para a rua Linthout e é frequentemente solicitado para colaborar. Alexis Dumont (1877-1962) lhe convidou a participar dos planos do novo Universidade Solbosch de Bruxelas. Juntos, eles participaram do concurso para o Palácio da Justiça na cidade de Hasselt onde terminaram em segundo lugar.

Chaineux presidou o Comitê Colonial da Société Centrale d’Architecture de Belgique, com especial atenção para a arquitetura no Congo. Ele construiu muitas moradias, em Uccle e ao redor de Bruxelas, mas também para a costa. Por exemplo em Bredene criou a Maria Duyne Bungalow City.

Após a Segunda Guerra Mundial, suas actividades são mais de tipo de colaboração. Arquitetos como James Allard (1890-1974) e Raymond Moenaert (1882-1977), o invocaram para colaborar no estudo de planos para uma escola de ensino médio em Tournai. Moenaert também pediu sua ajuda para os planos do Institut Normal d’Économie Ménagère et Agricole de l’État em Ohain. Chaineux também auxiliou Ghobert Jules (1881-1973) nos planos de estudo para o Palácio da Dinastia.

Poucos meses depois de completar sua última conquista na Bélgica, o edifício Residence Mary na Avenida Churchill em Uccle, Ernest Chaineux morreu no dia 08 de abril de 1962."

Peter Dangles, Janeiro 2012

° Uma pesquisa nas listas de bordo dos navios de imigrantes que ancoraram no Porto de Santos, disponível em forma de microfilme no Arquivo do Estado de São Paulo (Filme 050/LDP) revelou que chegara no dia 22 de fevereiro de 1920 com o vapor Gelria saindo do Amsterdam na Holanda, o belga Ernst Chaneux (deve ser Chaineux) de 33 anos, casado e com profissão "Comércio". Na linha seguinte está anotada a chegada de Josephine Dechamp, belga de 31 anos, casada e artista. É bem provável que era a esposa do Ernest.

Fonte: http://www.opale-opaal.be/ernest-chaineux/

Foto: http://www.opale-opaal.be/architectenportretten/

Alguns construções de Chaineux são mencionados em INVENTAIRE DU PATRIMOINE ARCHITECTURAL Région de Bruxelles-Capitale, Bélgica.