Você está aqui

Imigração belga no Brasil

A imigração dos belgas para Botucatu (SP)

Em 30 de junho de 1960, com a independência da atual República Democrática do Congo, o governo da Bélgica foi obrigado a procurar uma solução para 89.000 colonos que se encontravam naquele país. A solução de um retorno à Bélgica, o que ocorreu em larga escala, encontrou muitos protestos por parte dos colonos, pois muitos deles pleiteavam condições "semelhantes" às que tinham na antiga colônia belga. Uma das soluções encontradas foi procurar outros destinos para assentar essas famílias e, entre eles, a imigração para o Brasil foi uma opção.

Colônia Belga em Santa Catarina

Primeira visita

Os mais antigos registros de colonização de Ilhota (SC) datam de 31 de março de 1842, quando iniciaram uma viagem de reconhecimento dos rios Itajaí - Açu e Itajaí Mirim, 02 belgas, o engenheiro e pesquisador Charles Maximiliano Luiz Van Lede Joseph Philippe Fontaine, geólogo francês Guilherme Bouliech, e como guia o escrivão policial José Alves de Almeida

Imigração Belga em Porto Feliz (SP)

A rápida expansão da economia cafeeira para o chamado “Oeste Paulista”, praticamente despovoado até meados do século XIX, ocorreu em um momento no qual o movimento abolicionista ganhou poder, que começou com a Lei Eusébio de Queirós de 1850, seguida pela Lei do Ventre Livre de 1871, a Lei dos Sexagenários de 1885 e finalizada pela Lei Áurea em 1888, e, assim reduzindo até proibindo a continuação de uso de escravos na produção.

Para substituir a mão de obra escrava, os proprietários de terra passaram a atrair imigrantes europeus no exato momento que a crise econômica assolava vários países da Europa. Essa conjuntura favoreceu a implantação de um fluxo imigratório para a então Província de São Paulo e, paulatinamente, os imigrantes europeus foram substituindo a mão de obra escrava nas grandes lavouras de café sob diversas formas como regime de parceria, imigração espontânea ou subvencionada.