Você está aqui

Tygel, Sigismund (1922-2005)

Poeta belga-brasileiro Simon Tygel
Social Media: 

Sigismond (Sigismund) Tygel (14 de setembro de 1922 - 17 de fevereiro de 2005), foi um poeta belga radicado no Brasil que publicou com o nome Simon Tygel. Nascido em Antuérpia, imigrou como membro de uma família judia em 1939, aos 17 anos, residindo em São Paulo. Fluente em português, mas mantendo sempre a escrita em francês, Simon Tygel publicou em vida – até o que sabemos – 14 livros, e 3 foram publicados postumamente. Sua produção é principalmente poética, mas também inclui obras em prosa e peças de teatro. A maioria de seus livros foi editada no Brasil em francês, havendo também edições bilíngues e algumas traduções (duas, inclusive, para o italiano, editadas na Itália). Todas as edições de seus livros, ao que sabemos, encontram-se esgotadas. Há ainda inúmeros livros inéditos em poder da família.

Simon Tygel e Guilherme de Almeida

(esquerda Simon Tygel - direita Guilherme de Almeida / foto: arquivo Guilherme de Almeida)

Simon Tygel Os frutos do tempoSimon foi protegido e amigo pessoal do poeta modernista brasileiro Guilherme de Almeida (1890-1969), que escreveu o prefácio ao seu primeiro livro de poemas, Penser (1951, Ed. Alarico), e traduziu para o português seu livro em prosa Journal d’un Amant (1961, Ed. Alarico – a tradução foi lançada em 1962 como Jornal de um Amante pela mesma editora, e possui prefácio do poeta francês Paul Géraldy), o livro de poemas Festival (1965, Cia. Ed. Nacional, edição bilíngue com desenhos de Gomide), e o de frases poéticas Os Frutos do Tempo (1967, Ed. Cupolo, edição bilíngue). Fotos guardadas na Casa Guilherme de Almeida testemunham a presença de personalidades ilustres – além do próprio Guilherme –, como o então governador do estado, ao lançamento do livro L’homme de la Nuit (1960, Ed. Alarico), de Tygel, realizado na Loja do Livro Italiano em São Paulo.

O poeta belgo-brasileiro manteve relações próximas ao Consulado Belga de São Paulo, e realizou viagens à Europa para realizar palestras em sua área profissional (psicologia) – sobre as quais pouco sabemos – e divulgar suas obras: lançou em Paris Mes deux amours (1971, Ed. La Pensée Universelle) e em Bruxelas Marines (1984, Ed. De Rache).

No fim de sua vida, aproximou-se da escritora de literatura infantil Mariluiza Campos, que traduziu seus últimos livros em português, além de obras póstumas, em edições bilíngues pela Ed. Scortecci, entre 2004 e 2009.