Você está aqui

Casa de Ferro Família Brennand (Recife)

Location: 
Engenho São João, Varzéa, Recife - Pernambuco
Casa de Ferro Recife
Tipologia: 

A Casa de Ferro – Iron House em inglês – foi projetada na Bélgica pela Compagnie Central de Construction de Haine-Saint-Pierre. Ela foi construída na Louisiana, Estados Unidos, e, em 1892, trazida para o Engenho São João. Isto acontece no período áureo da economia pernambucana. Cercada por um jardim do famoso paisagista Roberto Burle Marx, a Casa de Ferro é considerada Patrimônio Histórico,  desde julho de 1980, consolidando-se como um imóvel relevante na história pernambucana e brasileira.

Casa de Ferro Belgica Recife

A planta lembra um “U” que se fecha com uma elegante escada de ferro na parte posterior. Todas as fachadas, tanto aquelas voltadas para o exterior, como as demais voltadas para um pequeno pátio interno, possuem varandas suportadas por colunas de ferro fundido e peitoris igualmente pré-fabricados em ferro. Em cada um dos cantos da fachada principal existe uma saliência das varandas com uma estrutura metálica, que cobre uma área com o formato de ¾ de um pequeno circulo. Um imponente pórtico, todo em ferro, marca a entrada principal. Este pórtico é composto de varias peças em ferro fundido (colunas, arquitraves, cornijas) e revestido com chapas de ferro, onde se aplicaram ornamentos do mesmo material. Toda a estrutura dos assoalhos e da cobertura é em ferro. Somente as paredes são em alvenaria de tijolos e o recobrimento da casa em telhas de barro.

Numa das colunas de ferro fundido do pórtico de entrada é possível ler a inscrição: “Société anonyme / Cie Centrale de Construction / Haine St Pierre Belgique / Administrateur Directeur Leon Hiard”.  

Informa a senhora Maria Eduarda Brennand Campos em carta de 12 de novembro de 2015 a Marc Storms:

"Francisco do Rêgo barros de Lacerda, na época dono dos engenhos São João e Santos Cosme e Damião, no bairro da Várzea, no Recife estava interessado em comprar novo e moderno maquinário para sua usina de açúcar. Além disso, precisava também da estrutura de ferro para uma ponte que ligaria as duas margens do rio Capibaribe e possibilitaria o escoamento da produção de açúcar. Empreendedor que era, foi aos Estados Unidos prospectar esta compra em duas ocasiões diferentes, 1881 e 1892. Foi à região da Louisiana, mas especificamente a Baton Rouge, maior produtora de maquinaria de usinas de açúcar na época e grande centro açucareiro da américa do Norte. Na viagem de 1892 ele trouxe de navio, diretamente para o porto do Recife, a maquinaria da usina, uma ponte de 160 m em ferro e a estrutura de ferro da casa que construiria na sua propriedade numa área elevada e de bonita vista. 

Há dúvidas se ele encomenfou estes itens na primeira viagem, em 1881 ou por correspondência posteriormente. 

Quanto a casa de ferro não existe nenhum fato que comprove ou sugira que ele tenha encomendado a mesma baseado em algum projeto que tenha levado do Brasil. Pelo que se sabe ele não tinha ideia de encomendar uma casa, a princípio. Muito provavelmente ao chegar a Louisiana encantou-se com a casa e quis compra-la. A casa, portanto, não veio diretamente da Bélgica. Ela já se encontrava nos Estados Unidos quando ele a comprou. Com certeza, a mesma lhe foi oferecida na Louisiana pois se trata de uma casa no típico estilo das Plantation Houses do sul dos Estados Unidos e não do estilo colonial português das casas brasileiras.

Confirmamos que toda parte estrutural de ferro fundido, colunas, calhas e frontispício em ferro fundido vieram da referida fundição."

Fontes

  • http://ironhouse.com.br/br/a-empresa/a-casa-de-ferro/
  • "Arquitetura industrial belga no Brasil no século XIX", artigo de Bernard Pirson p. 332 em "Brasil e Bélgica : Cinco séculos de conexões e interações / organização Eddy Stols, Luciana Pelaes Mascaro e Clodoaldo Bueno. - São Paulo : Narrativa Um, 2014." 
  • Arquitetura do ferro no Brasil / Silva, Geraldo Gomes da. - São Paulo : Livraria Nobel, 1986. - 247 p. - ISBN: 8521303491 (p. 218 – 222)