Você está aqui

Escultura do mausoléu de Achilles Vivacqua (Belo Horizonte)

Location: 
Cemitério do Bonfim, Belo Horizonte - Minas Gerais
Belo Horizonte Achilles Vivacqua
Data de inauguração: 
quarta-feira, 2 Dezembro, 1942

Jeanne Milde é autora da escultura do mausoléu de Achiles Vivacqua (Rio Pardo (ES) 02/01/1900 - Belo Horizonte 2/12/1942), no Cemitério do Bonfim na cidade de Belo Horizonte. 

Vivacquia by Milde

Aos 20 anos de idade, Achilles Vivacqua foi acometido pela tuberculose e então mudou-se para Belo Horizonte, onde pretendia encontrar a cura para o seu mal. Felizmente, a doença não o impediu do exercício literário. Na capital mineira, o escritor juntou-se a outros intelectuais da cidade. Sua residência ficou conhecido como Salão Vivacqua e contava com a presença de assíduos freqüentadores, como: Carlos Drummond de Andrade, Pedro Nava, Abgar Renault, dentre outros.

Em 1928 foi lançado seu primeiro e único livro: "Serenidade". Achilles Vivacqua colaborou com a Revista Verde e com o suplemento Leite Criôlo do jornal Estado de Minas. 

Infelizmente, a doença não permitiu que sua carreira de escritor se estendesse em maior grau. Achillles Vivacqua acabou por falecer em dezembro de 1942; vítima da tuberculose.

No túmulo, está a última homenagem do autor à própria mãe: o poema Minha última oferenda a ti. Esculpido conforme vontade pré-designada, por Achilles.

Colhe, na palma branca,
Da tua mão, enquanto é tempo, estas lágrimas que
Brotam no canto dos meus
Olhos. Receio que elas se derramem pela minha face
E se percam, para sempre, na poeira, antes que tu consigas
Ver a tua imagem debruçada
Sobre o brilho polido delas...
A tua imagem que é a forma
Da minha vida...Colhe-as
Na palma quente da tuabr>Mão, sem demora ó Mãe.
Como minha última
Oferenda a ti...

O arquivo particular da Dona Eunice Vivacqua contem uma cópia do recibo no valor de Cr$ 3.000,00 (Três mil Cruzeiros) parte do pagamento dos serviços que somavam Cr$ 10.000,00 (Dez mil Cruzeiros) referente à encomenda de um túmulo, sendo que Cr$4.000,00 (Quatro mil Cruzeiros) seriam pagos à artista Jeanne Milde em razão de obra de arte realizada para ornamentação do túmulo. O documento data de outubro de 1944.

O jazigo fica no quadro Q49 com número 271.

Fontes:

Texto e fotos: Marc Storms, julho 2015