Você está aqui

Telhas e vidros belgas no Complexo do Gasômetro (São Paulo)

Location: 
R. Cap. Faustino de Lima, 134, São Paulo - São Paulo
Complexo do Gasômetro
Tombado: 
sim

A Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) reativou sua sede no Brás, zona central de São Paulo, que passa a funcionar como Centro Operacional da Região Metropolitana – função que teve entre 1890 e 1972. Conhecido como Complexo do Gasômetro, o espaço de 24 mil m² é tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo (Conpresp). A restauração dos prédios históricos – construídos na década de 1930 – foi iniciada em 2006, sob o comando do arquiteto Luís Antonio Magnani, da Restarq. O projeto arquitetônico, por sua vez, ficou a cargo de Roberto Candusso.

Foram investidos 38 milhões de reais na restauração, que incluiu o prédio central da sede (o chamado edifício operacional), os dois balões de armazenamento de gás, o prédio da Catedral (antiga casa dos medidores, que hoje abriga um auditório) e a antiga casa dos compressores, onde a partir de abril de 2008 funcionará a Exposição Permanente da Memória do Gás. "A idéia era valorizar as características originais de cada edifício, que não foram construídos juntos. Buscamos adaptar as técnicas de cada período e as reconstruímos", conta Magnani. Para isso, foi feito um intenso trabalho de recuperação de materiais. Os tijolos aparentes são originais, recuperados nos próprios prédios ou mesmo em demolições dentro do complexo, assim como as paredes e muros pintados à cal, recuperados atrás de camadas de pinturas mais recentes. As telhas e os vidros azuis especiais de origem belga que estão na fachada do edifício operacional foram reaproveitados.

Fontehttp://www.au.pini.com.br/arquitetura-urbanismo/168/artigo73541-2.aspx

Foto: Divulgação Comgás