Bandeira belga Rei Albert Visita 1920 Brasil Rainha Elisabeth Bandeira brasileira

Você está aqui

Visita Petrópolis - Colégio São Vicente de Paula - Volta Rio de Janeiro

quarta-feira, 29 Setembro, 1920

O grupo com os reis belgas e sua comitativa partiu pela às 9 horas da manhã de Teresópolis para Petrópolis em 26 automóveis. Sua majestade o rei Albert manifestou desejos de escalar o Dedo de Deus, um dos picos mais altas da Serra dos Órgãos, mas desistiu de seu proposito, pelas dificuldades que a excursão ofereceu, informou o jornal "O Pais" de 29 de setembro de 1920.
Mas o passeio agradou bastante ao rei dizendo "que a estrada que percorrera era uma obra soberba, e que não lhe era possível descrever os encantos que lhe tinha proporcionado o percurso por aquele trecho da Serra do Mar".

19200928 Rei Alberto Careta 642 Estrada Petropolis a Theresopolis

Chegaram pouco depois do meio-dia em Petrópolis O povo, em massa, aguardava a chegada dos reis. Hospedaram-se na residência da viúva Franklin Sampaio.

Almoçaram no Palácio da Prefeitura. A senhora Durval de Souza, esposa do superintendente dos serviços do Banco Constructor, de nacionalidade belga, ofereceu a sua majestade um formoso ramo de flores agrestes de Petrópolis. Visitaram as diferentes instalações do Colégio São Vicente, dirigido por padres Premonstratenses belgas, no antigo Palácio Imperial do imperador d. Pedro II. O colégio tinha uma seção de humanidades e outra de ensino técnico profissionalizante, ambas de excelente reputação e, durante a Primeira Guerra Mundial, foi um verdadeiro centro de propaganda belga. Em 1920, o colégio acolhia 230 alunos. Os padres ofereceram ao soberano um álbum de fotos dos três estabelecimentos da ordem no Brasil, sendo Petrópolis, Jaú e Pirapora.

Rei Alberto Revista Careta 642 Saída de Petrópolis

(Revista Careta 642)

Voltaram ao Arsenal de Marinha, no Rio de Janeiro, depois das 20 h.

Naquele meio-tempo, muitas telegramas de homenagens chegaram ao Palácio da Guanabara.Havia telegramas vindos de engenheiros e de médicos que haviam estudado na Bélgica, de religiosos, da loja Maçônica, de políticos e de homens de negócios, mas também de pessoas simples. Por exemplo, uma carta de felicitações de Cornelius Jozef Weyn, um exilado de Antuérpia, com 81 anos, que morava no Brasil havia 31.

O Paiz, 30 de setembro de 1920

Livro "Visita da família real belga ao Brasil, 1920. - São Paulo: FAAP, 2010.

Colégio São Vicente Pétropolis