Você está aqui

Mosteiro de São Bento (São Paulo) - 12 esculturas representando os apóstolos

Location: 
Largo de São Bento, São Paulo - São Paulo
São Paulo São Bento Apostoles van Emelen

Adrien Henri Vital Van Emelen (Lovaina, 10 de outubro de 1868 — São Paulo, 27 de julho de 1943), foi um escultor e pintor belga que se radicou no Brasil em 1920. Adrien Henri estudou com Constantin Meunier em Lovaina. Projetou principalmente figuras de terracota e medalhões de retratos. Seu irmão Jacques, o Dom Amaro (24/08/1863 - 11/1946) era Prior do Mosteiro de São Bento em São Paulo e Reitor do renomado Colégio da Ordem Beneditina.

O Mosteiro de São Bento

Localizado no Largo do São Bento, no centro de São Paulo, o Mosteiro de São Bento forma um conjunto com o Colégio de São Bento, Faculdade de São Bento e a Basílica Abacial de Nossa Senhora de Assunção. Funda em 1908 a Faculdade de São Bento, vinculada à Universidade de Louvain, Bélgica. Os cursos oferecidos na época da fundação são filosofia e letras.

A construção do prédio atual data de 1910. Projetado pelo arquiteto alemão Richard Bernd e inspirada na tradição eclética germânica, a decoração interna do Mosteiro de São Bento segue o estilo beuronense e foi de responsabilidade de beneditinos. Na década de 20, a Basílica foi consagrada e foram instalados os sinos e o relógio do mosteiro, tido como o mais preciso de São Paulo. O local hospedou o papa emérito Bento XVI em sua visita ao Brasil em 2007.

esculturas dos 12 apóstolos

Jacobus by van EmelenPhilippus by van Emelen

No Mosteiro de São Bento, Van Emelen estava logo depois da sua chegada no Brasil em 1920 envolvido com a realização de 12 esculturas representando os apóstolos, de dois metros e meio de altura cada uma, posicionadas na nave central da igreja beneditina. As peças foram moldadas em gesso nas oficinas do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo (Palácio das Industrías) em 1921, disponibiliazado pelo engenheiro Ramos de Azevedo (1851 - 1928) e policromadas. Foram eculpidas e colocadas na nave central entre 1921 e 1922.

Na reportagem “São Paulo tem história - Mosteiro de São Bento” (veja o vídeo abaixo) a restauradora dos apóstolos, Maria Teresa Vidigal, explica “Diz dom abade que essas imagens foram feitas como a mostra de uma imagem que seria feita em outro material. Não se sabe se madeira ou se em bronze. Mais qualquer maneira, acho que eles quiserem economizar e ficar com esses mesmo que tem uma beleza plástica muito grande” e continua “Provavelmente na década de 40 foi feito um retoque na pintura. Tinha tinta caída.” 

Em entrevista com João Rossi, restaurador no dia 26 de agosto de 2015 na Igreja do Mosteiro de São Bento, Rossi não concordou com esta visão. “É uma lenda que os apóstolos foram criados com modelo em geso para posteriormente ser feitos em outro material. Nenhum artista fiz modelos em este tamanho. O tipo de geso usado é bem resistente, não há fragilidade. Escultar em geso, estopa em cima, aglomerando material não é fácil, mais também não é necessário muita força (considerando a idade de van Emelen). O tipo de acabamento do Van Emelen não era comun nesta época, é inovador.” 

Rossi acrescentou, "O acabamento dos apostoles é bem mais rustico, não tanto liso quando a Pietà e as estátuas de Santa Anna e Gertrudis. Isto não era necessário pois foram colocados alta". 

Informou José Marcelo do Espírito Santo “Todas as suas peças destinadas para este mosteiro foram policromadas pelo próprio escultor, pois era também eximo pintor”.

Dom Hildebrando, monge beneditino explicou que antigamente foram colocadas acima dos cabeças dos apóstolos estruturas em estilo gótica. Ainda é possível ver diferenças de cor de tinta na parede, por exemplo, acima da cabeça do apóstolo Petrus. 

Mais perto do altar, na nave esquerda, fica o apóstolo Petrus (Pedro) e na nave direita o apóstolo Paulo e ao seu lado Joannes (João). Na nave esquerda ainda encontramos o Andreas (André), Jacobus Min. (Tiago), Bartholomeus (Bartolomeu) e Taddaeus (Tadeu). No lado direita Thomas (Tomé) que é colocado perto do altor pois “ver é crer”, Jacobus Maior (Tiago, filho de Zebedeu), Philippus (Filipe), Matthaeus (Mateus) e Simon (Simão).

Cabe van Emelen, ainda, como autor, a Pietà, colocada numa das capelas laterais e as estatutas de Sant'Ana e de Santa Gertrudes.

Fontes:

  • Visita no dia 26 de agosto 2015 de Marc Storms que entrevistou o restaurador João Rossi e falou com dom. Hildebrando
  • texto de Valéria Piccoli, curadora chef da Pinacoteca do Estado de São Paulo
  • Palácio das Indústrias : Estudo e Reapropriação de um espaço paulistano / José Marcelo do Espírito Santo. - São Paulo: USP FAU, 1987. - veja p. 83
  • Mosteiro de São Bento. - São Paulo: Didática Paulista, 2007. - ISBN 978-85-7417-214-9
  • http://www.prodam.sp.gov.br/pal_ind/pl4.htm 

Fotos: Marc Storms, agosto de 2015