Você está aqui

Compagnie des Chemins de Fer Sud-Ouest Brésilien

A Compagnie des Chemins de Fer Sud-Ouest Brésilien foi a primeira empresa de exploração das estradas de ferro com capital belga a atuar no Rio Grande do Sul. A companhia integrava um grupo pertencente à Compagnie Générale des Chemins de Fer Secondaire, com sede em Bruxelas.

O engenheiro João Teixeira Soares obteve a concessão, pelo Decreto n. 305, de 7 de abril de 1890, de dois ramais de ferrovia: o primeiro partindo da via tronco em Ibituba, província do Paraná, e o segundo, partindo da cidade de Cruz Alta até alcançar a margem do rio Uruguay. O contrato assinado a 9 de junho de 1890, dava a garantia de 6% ouro, juros livres de impostos e com vencimento ao final de cada semestre pelo período de 30 anos. Os direitos de exploração foram transferidos para a Compagnie des Chemins de Fer Sud-Ouest Brésilien. Esta ficou com o trecho de Santa Maria a Cruz Alta e transferiu suas obrigações com o trecho restante, para a Companhia União Industrial dos Estados do Brasil (Decreto n. 397, de 20 de junho de 1891).

Comenta professor Caryl Lopes "Evidencia-se que a companhia, de capital principalmente belga, se reservou o trecho com mais futuro e onde os capitais ingleses não eram muito significativos, e onde havia possibilidades de expansão. Era uma companhia que buscava receber todos os dividendos e bonificações de maneira imediata."

A 14 de novembro de 1891, conforme Decreto n. 670, foram aprovados os estudos definitivos apresentados pela Sud-Ouest para a construção do trecho sob sua responsabilidade, e inaugurado a 20 de novembro de 1894. O último trecho, Carazinho a Passo Fundo, foi entregue ao trafego em 31 de janeiro de 1898. Essa ferrovia passou para mãos da União, em 30 de janeiro de 1903, por acordo celebrado em Bruxelas, pela quantia de 7.605.000 libras esterlinas.

Em 1905 a Compagnie des Chemins de Fer Sud-Ouest Brésilien é incorporada pela Compagnie Auxiliaire des Chemins de Fer au Brésil que recebeu do Governo Federal, em 6/06/1905, através do decreto 5584, o direito de exploração de toda a malha ferroviária do estado.

Segundo professor Eddy Stols "A Compagnie des chemins de fer Sud-Ouest Brésilien e posteriormente a Auxiliaire trouxeram de 1891 a 1914 para a construção e a gestão de estradas de ferro do Paraná até o Rio Grande do Sul vários engenheiros e técnicos entre os quais Adolphe Lekeu, Cambier, Vander Perre, Van Nonnenberg, Lionel Wiener, Joseph Demaret, Léon Sévérin e sobretudo a interessante figura de Gustave Vauthier."

Fontes:

  • p. 76-77 A CONPAGNIE AUXILIAIRE DE CHEMINS DE FER AU BRÉSIL E A CIDADE DE SANTA MARIA NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL / Caryl Eduardo Jovanovich Lopes (Tese de Doutorado - Barcelona, Catalunha, Espanha – 2002)
  • Penetração econômica, assistência técnica e "Braindrain": Aspectos da emigração belga para América Latina / Eddy Stols
  • p.26-27 FILANTROPIA OU NEGÓCIOS? Análise da relação entre a Jewish Colonization Association e a Compagnie Auxiliaire des Chemins de Fer au Brésil / IURI TOVAR VERBA. - Porto Alegre, 2010

Texto e pesquisa: Marc Storms